terça-feira, 15 de setembro de 2009

5 comentários:

Rebeca Ramos disse...

Seja lá quem for que escreve esse blog! Pelo amor de sabe lá o que! Memorial dos Povos Indígenas, Memorial! Não é Museu do Índio! Corrige esse erro aí meu querido. Adoro a festa, já fui em edições no RJ e em também a de Brasília, mas é foda, vcs saírem lá do RJ e ficar fazendo pouco caso dos nossos monumentos. Tá certo que os índios estão vivos e por isso não haveria necessidade em um Memorial para esses povos, mas,se o nome é esse... RESPEITE e escreva certo!
Obrigada por trazer a festa a BSB. Ainda que tão absurdamente caro!
até!

aline disse...

nossa!
qta veemencia

Bailinho disse...

uau...
rs...

museu dos indios, memorial dos povos indigenas, oca do niemeyer, chamo como quiser, desculpe-me senhorita.
nomenclatura não é respeito. e respeito não bolsa na vitrine, pra se mostrar. é algo que se tem dentro, durante, vivo.
Eles conversam com os ventos!
respeito tenho pelo fogo.
Eles, eu peço clemência.

Boa festa

AREIA disse...

RESPEITO foi uma festa que não é da cidade apresentar este monumento à cidade.Ou pelo menos aos 98% do público que foi ao evento. Sim, pq a grande maioria
não sabia o seu nome,localização quem o desenhou e muito menos, conhecia o local.

Pedimos licença para entrar porque ali é sim solo sagrado!!! Com ritual e tudo, vc sabia??

Pode ter certeza que fizemos a nossa parte e não foi pouco!

O Bailinho é só uma festa, mas eu também prefiro acreditar em algo mais!!!!!

Paola Reis disse...

"...Memorial se constitui em um exercício de interrogação de nossas experiências passadas para fazer aflorar não só recordações/lembranças, mas também informações que confiram novos sentidos ao nosso presente..."

Festa ruins são caras, festas boas não.

E sim Bailinho é algo mais... Bailinho é TUDO!

beijos!